Incentivos a prédios verdes divide opiniões no Rio.

ImageRIO – As propostas da prefeitura para incentivar a construção de “prédios verdes”, com redução e até isenção de impostos, como O GLOBO noticiou neste domingo, provocaram reações diferentes entre políticos de oposição e a iniciativa privada. Para a vereadora Andrea Gouvêa Vieira (PSDB), é preciso avaliar melhor o impacto das medidas nas contas públicas. Ela criticou a demora na implantação de outras ações a seu ver mais efetivas na proteção do meio ambiente.

— Fiquei surpresa com esse pacote do governo, porque faço audiências públicas com diversas secretarias e isso nunca foi comentado. Isso me parece uma medida eleitoreira. É preciso olhar com cuidado, porque apenas um terço dos imóveis do Rio paga IPTU, o resto é isento. Então, qualquer isenção fiscal precisa ser bem avaliada. Há outros campos em que estamos muito atrasados, como a coleta seletiva, que deveria ter mais prioridade. Menos de 10% dos domicílios têm coleta seletiva — afirmou a vereadora.

Já Rubem Vasconcellos, presidente da Patrimóvel e vice-presidente da Associação de Dirigentes do Mercado Imobiliário do Rio (Ademi), acredita que as empresas vão abraçar as propostas.

— O mercado imobiliário vai adotar imediatamente as práticas incentivadas pela prefeitura. Tenho certeza de que os futuros projetos serão todos qualificados dentro dessas normas. Agora, em relação a uma possível diminuição de custos devido à redução e à isenção de impostos, é preciso fazer uma análise mais cuidadosa — disse Vasconcellos.

Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro Para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), afirmou que incentivos fiscais são indispensáveis para promover a transição em direção a uma economia de baixa emissão de carbono. Na sua opinião, o pacote da prefeitura funcionará como um catalisador importante desse processo:

— As medidas estão no rumo certo, porque é preciso direcionar os incentivos para a economia verde. Essa transição só ocorre se houver uma regulação adequada. A isenção fiscal casada com novos parâmetros de construção e sustentabilidade dos prédios é crucial para acelerar esse movimento, ainda mais no Brasil, onde o déficit habitacional é imenso.

O pacote do prefeito Eduardo Paes para incentivar a construção de “prédios verdes” (que causem menos danos ao meio ambiente) na cidade prevê benefícios fiscais, como descontos de até 50% ou mesmo isenção de IPTU e ITBI, além de redução de ISS durante as obras e após o habite-se. A nova legislação, que ainda precisa ser aprovada na Câmara dos Vereadores, permitirá que os edifícios ecológicos tenham outras vantagens, como a possibilidade de coberturas e pavimentos de uso comum maiores, além de vagas de garagem menores. Serão criados também dois selos, Qualiverde e Qualiverde Total, para os projetos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/incentivo-da-prefeitura-construcao-de-predios-verdes-divide-opinioes-5165364#ixzz1zPjS07Rg
© 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s